30 de out de 2009

Os 7 Reis de Apocalipse

Tendo claro que as sete cabeças de Apocalipses 17 têm dupla interpretação (montes e reis) e que estes assinalam a Roma e os papas que governam ali, podemos continuar nossa investigação tratando de achar o momento na história desde o qual devem começar a contar-se, e desta maneira conseguir conhecer finalmente sua identidade. Para iniciar, faremos uma análise do capítulo 17 de Apocalipse à luz das duas fases do Papado que estudamos no oitavo capítulo deste livro.

Como pudemos comprovar pela história, o papado se consolidou como governante supremo da Europa no ano 538 d.C. por decreto do imperador Justiniano, e perdeu seu poder político 1260 anos depois em 1798 d.C., em tempos da Revolução Francesa. A partir desse ano os papas perderam não só sua autoridade como também os territórios desde os quais governavam. Na concordata de Latrão, celebrado em 1929, Benito Mussolini devolveu parte dos territórios ao papa PIO XI. Desde então vimos como o poder e influência do papado no mundo inteiro foi crescendo e podemos prever que tal como sucedeu durante a primeira fase, logo atingirá o controle do mundo inteiro. Quando isto suceder, o Senhor Jesus Cristo virá e lhe tirará este poder. O seguinte diagrama resume o que ali estudamos:

Veja o que diz o comentário Bíblico Adventista sobre a "Ferida Mortal"
cuja ferida mortal foi curada... Apoc. 13:12
Nos anos que decorreram depois da Revolução Francesa se produziu um reavivamiento gradual do sistema papal. O papa sofreu um novo golpe em 1870, quando lhe foram tirados os Estados papais. Um acontecimento importante aconteceu em 1929 quando, pelo tratado de Latrão, o poder temporário lhe foi restaurado ao papa. Recebeu então o governo da Cidade do Vaticano, uma seção da cidade de Roma, que ocupa uma extensão de uns 44 hectares.
No entanto, o profeta contempla que há uma restauração muito maior. Viu a ferida completamente curada, como o insinua o texto grego. João viu, ademais, que depois da cura "todos os moradores da terra" -exceto uns poucos fiéis- adoraram à besta (vers. 8; cf. CS 636). Esta adoração ainda se acha no futuro. Ainda que o papado recebe a homenagem de certos setores, enormes conjuntos humanos não lhe rendem preitesia. Mas isto mudará. A besta do vers. 11 "faz que a terra e os moradores dela adorem à primeira besta, cuja ferida mortal foi curada" (vers. 12).

Concluimos que a ferida seria "curada" em 1929 e "completamente curada" com a acenssão da besta.

Menciona Apocalipse 17 estas mesmas duas fases de poder papal? Claro que sim! Leiamos a descrição que nos apresenta o capítulo:
"A besta que viste era e não é, e está para subir do abismo e ir a perdição. Os habitantes da terra, aqueles cujos nomes não estão escritos no livro da vida desde a fundação do mundo, se assombrarão vendo a besta que era e não é, e será" (Apocalipse 17:8).
Analisemos, pois, em detalhe estas fases segundo estão descritas no contexto, iniciando com a descrição do período intermédio.
A ferida mortal. "Não é"
"O anjo me disse: «Por que te assombras? Eu te direi o mistério da mulher e da besta que a leva, a qual tem sete cabeças e dez chifres. A besta que viste era e não é , e está para subir do abismo e ir a perdição. Os habitantes da terra, aqueles cujos nomes não estão escritos no livro da vida desde a fundação do mundo, se assombrarão vendo a besta que era e não é , e será" (Apocalipse 17:7-8).
Observe que a palavra "era" está em tempo passado, "será" está em tempo futuro e "não é" está em tempo presente. Com clareza podemos ver que o anjo levou a João em visão ao tempo em que o papado já tinha perdido seu poder (1798 d.C. - 1929 d.C.) e desde ali começa a explicar-lhe a visão.
Primeira fase. "Era"
O anjo lhe disse ao apóstolo João: "A besta que viste, era..." (Apocalipse 17:8). E daí foi o que o apóstolo viu? Leiamos:
"Me levou no Espírito ao deserto, e vi a uma mulher sentada sobre uma besta escarlata cheia de nomes de blasfemia, que tinha sete cabeças e dez chifres. A mulher estava vestida de púrpura e escarlata, enfeitada de ouro, pedras preciosas e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio de abominações e da imundicie de sua prostituição. Em sua fronte tinha um nome escrito, mistério: «Babilonia a grande, a mãe das prostitutas e das abominações da terra». Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesús" (Apocalipses 17:3-6).
É evidente que aqui se está falando da primeira fase do papado, pois o versículo 3 apresenta à mulher sentada sobre a besta, o qual é indício da união da Igreja e o Estado. Também, apresenta as blasfemias que resultaram desta união, tais como a crença de que o Papa era a interseção entre o céu e a terra, que tinha o poder de perdoar pecados e que podia mudar a Lei de Deus segundo sua vontade.[a] O versículo 4 assinala o luxo e a ostentação que caracterizaram à igreja romana durante seus primeiros anos e apresenta, também, o tempo no qual ela deu a beber ao mundo de seu cálice de abominações que, como já vimos, são suas falsas doutrinas. O versículo 5 mostra o surgimento de outras igrejas (filhas) que seguiriam algumas de seus falsos ensinos e o versículo 6 fala do sangue dos filhos fiéis de Deus que foi derramada durante esses escuros anos(santa inquisição).
Uma confirmação adicional encontramos no versículo 3 onde se afirma que o que João viu, o vió no deserto o qual é símbolo inequívoco dos primeiros 1260 anos de supremacia papal:
"A mulher fugiu ao deserto, onde tinha um lugar preparado por Deus para ser sustentada ali por mil duzentos sessenta dias" (Apocalipses 12:6).
Segunda fase. "Será"
"Isto, para a mente que tem sabedoria: As sete cabeças são sete montes sobre os quais se assenta a mulher, e são sete reis. Cinco deles caíram; um é e o outro ainda não veio, e quando vir deverá durar pouco tempo. A besta que era e não é, é também o oitavo, e é um dos sete e vai à perdição. Os dez chifres que viste são dez reis que ainda não receberam reino; mas receberão autoridade como reis por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo propósito: entregarão seu poder e autoridade à besta. Brigarão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é Senhor de senhores e Rei de reis; e os que estão com ele são chamados, eleitos e fiéis" (Apocalipses 17:9-14).
Façamos um pequeno resumo do que a passagem apresenta, em sua devida ordem:
A mulher se senta sobre os sete montes.
Menciona-se a existência de sete reis (papas) governando em seqüência. Os cinco primeiros caídos, um governando e o outro a ponto de vir.
Anuncia-se que o sétimo rei governará só pouco tempo.
Revela-se que a besta inteira receberá o poder absoluto do mundo depois da queda da sétima cabeça, como se se tratasse de uma oitava. Durante este período a besta voltará a ser plenamente o que "era".
Dez reis serão os encarregados de entregar-lhe o poder e a autoridade à besta.
Quando estes reis mediante sua união tenham conseguido impor a supremacia da besta, o Cordeiro virá e os vencerá.
Notemos que a passagem inicia com a descrição do momento em que a mulher (a Igreja) senta-se na cidade dos sete montes (Roma), e termina com a vinda de Cristo (o Cordeiro). No capítulo oitavo estudamos que a segunda fase inicia e termina justamente com estes dois eventos. Por tanto, o que esta passagem apresenta, incluindo a seqüência dos sete reis e o governo mundial da besta, deve fazer parte da segunda fase do papado. Isto significa que os sete papas apresentados nesta profecia, devem começar a governar a partir do ano 1929 . E como sei que começam a contar-se a partir desse mesmo ano e não depois? É simples: Desde os começos do papado, o bispo de Roma foi chamado "rei da terra" e "chefe dos reis",[b] mas perdeu esse titulo em 1798 devido a que os franceses o levaram cativo, desapropriaram seus territórios e usurparam sua soberania. Nenhum dos papas que estiveram cativos a partir desse ano (Pío VI, Pío VII, Gregorio XVI, Pío IX, León XIII, Pío X e Benedicto XV), voltaram a ser chamados "reis". Só até 1929 o papa voltou a ser considerado como tal, ao isentar parte dos territórios pontifícios perdidos:
Eis os 7 Reis
Pío XI (1922-1939)   2 - Pío XII (1939-1958)   3 - João XXIII (1958-1963) Paulo VI (1963-1978)   5 - João PauloI (1978)  6 - JOÃO PAULO II (1978 -2005) Bento XVI ( 2005 )

"Isto, para a mente que tem sabedoria: As sete cabeças são sete montes sobre os quais se assenta a mulher, e são sete reis. Cinco deles caíram; um é e o outro ainda não veio, e quando vir deverá durar pouco tempo. A besta que era e não é, é também o oitavo, e é um dos sete e vai à perdição. Os dez chifres que viste são dez reis que ainda não receberam reino; mas receberão autoridade como reis por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo propósito: entregarão seu poder e autoridade à besta. Brigarão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é Senhor de senhores e Rei de reis; e os que estão com ele são chamados, eleitos e fiéis" (Apocalipses 17:9-14).NetSite 2/4/2005 - "Cardeal alemão, ultraconservador, um dos mais poderosos do Vaticano, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, órgão ortodoxo, antigo Tribunal da Inquisição. Nascido em 16 de abril de 1927, defende idéias "medievais" da igreja, dizem críticos. Nacionalidade alemã é vista como desvantagem na escolha."
Globo.com 16/4/2005 - "O cardeal alemão Joseph Ratzinger, um dos favoritos para suceder o Papa João Paulo II, foi incluído na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, publicada neste domingo pela revista "Time". Desde 1981 à frente da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal alemão é uma das personalidades mais poderosas do Vaticano.
Globo.com 19/4/2005 - "O Cardeal Joseph Ratzinger, de 78 anos, eleito Papa e sucessor de João Paulo II, é o prelado que talvez mais claramente representa a linha mais dogmática da Igreja Católica Romana. Suas idéias muitas vezes chocam as correntes liberais de seu país de origem, onde chegou a ser acusado de adotar um estilo inquisidor. ...O novo Papa também carrega o ônus da imagem de guardião doutrinário, cargo que ocupou por 24 anos. Durante muito tempo teve que brigar com a fama de "Grande Inquisidor", ...Nesse cargo, Ratzinger calou sacerdotes latino-americanos da "Teologia da Libertação", como o voto de silêncio imposto ao frei Leonardo Boff. ...Em um documento divulgado no ano de 2000, "Dominus Jesus", classificou as outras igrejas cristãs como deficientes, afirmando que "apenas na Igreja Católica existe a salvação". As afirmações surpreenderam anglicanos, luteranos e outros protestantes que mantiveram diálogo ecumênico com Roma durante anos.

Nenhum comentário: